fbpx

Administração

Gestão empresarial: Entenda o que é sistema ERP

Redação - FoxManager
Escrito por Redação - FoxManager em 21/09/2017
Gestão empresarial: Entenda o que é sistema ERP

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Lidar com uma grande quantidade de expedientes burocráticos da empresa é um dos grandes percalços na rotina do empresário. Com tantos dados para coletar, analisar e armazenar, fica fácil se perder e acabar por comprometer a regularidade do negócio.

Por isso, em meio às tantas obrigações fiscais, contábeis e financeiras, que gerir uma empresa implica administrar tudo isso com maestria exige apoio, tanto interno quanto externo.

Externamente, o empresário costuma se socorrer de profissionais especializados, como os contadores e advogados e, internamente, a solução encontrada está na tecnologia, a exemplo dos softwares ERP — e é sobre essa ferramenta que iremos falar.

Notas fiscais, boletos, ordens de serviço, gestão de estoque, PDV, CRM, contabilidade em tempo real. Essas são algumas das funcionalidades do mais completo ERP online grátis do mercado. Conheça!

E então, você sabe o que é um ERP? Sabe como essa ferramenta pode facilitar o gerenciamento do seu negócio? O post de hoje pode lhe ajudar a entender. Acompanhe:

O que é software ERP?

Indo direto ao ponto: o acrônimo ERP significa Enterprise Resource Planning ou, em bom português, Sistema de Gestão Empresarial. Por trás desse conceito, na prática existe uma série de softwares que têm como principal resultado a otimização de processos empresariais a partir da integração e centralização de dados e informações relativos aos mais diversos aspectos do negócio.

Para que serve um ERP?

Toda empresa precisa organizar suas contas a pagar e receber, pedidos e vendas, além de gerenciar rotinas como comissões, controle de estoque, emissão de notas fiscais, apuração de impostos, fechamento contábil entre inúmeros outros processos.

Para cada uma dessas tarefas, poderia existir um software específico, o que tornaria a gestão mais trabalhosa e também mais suscetível a erros, porém, quando todas esses dados estão centralizados em um único sistema, erros são mais raros e o controle e análise de todas essas informações ficam mais ágeis e precisas. 

No contexto empresarial, os softwares ERPs têm um papel estratégico na condução de um negócio, pois facilitam e agilizam significativamente a manipulação de dados oriundos de diferentes departamentos da empresa.

Essa moderna ferramenta empresarial viabiliza a automação da coleta de dados, reunindo-os em um único local de forma a tornar a gestão mais centralizada e eficiente. 

Como um software ERP é dividido?

Como ferramenta tecnológica que é, um software ERP tem algumas especificidades técnicas que merecem ser conhecidas.

Em geral, o sistema pode ser personalizado, atendendo às necessidades de cada empresa, porém, é muito comum que eles sejam divididos em três camadas. Vejamos:

  • camada apresentação: Essa é a parte do ERP que fará a interação com as pessoas. É a partir dessa camada que o sistema será alimentado de informações e comandos para que possa se comunicar com a camada de processamento;
  • camada de processamento: É a camada mais técnica e complexa do ERP. Aqui os dados inseridos pelo usuário na camada de apresentação são integrados com os módulos do sistema, respondendo ao que foi solicitado ou salvando no banco de dados. O cerne do sistema fica nessa camada, e sempre que é necessário inserir atualizações, processos, otimizar o desempenho e a segurança do software, é nela que tudo é feito.
  • camada de armazenamento: Toda vez que o usuário faz alguma inserção no sistema a informação recebida precisa ser alojada e manter-se acessível para que seja utilizada no futuro. Essa função é desempenhada pela camada de armazenamento, que é o banco de dados.

Como implementá-lo em seu negócio?

Embora bastante útil para a empresa, a implementação de um ERP exige alguns cuidados e deve ser pautada por muita análise. Para se extrair o máximo potencial dessa ferramenta, é necessário planejar a sua adoção, alinhando-a com a realidade da empresa. Vejamos adiante quais os passos para uma implementação segura:

1. Planejamento

Aqui, o foco é realizar uma avaliação da situação da empresa, levantando informações como quais são os recursos utilizados por ela, suas etapas e processos produtivos, bem como a compatibilidade entre a forma de manipulação de dados atual e os dados de um ERP.

Além disso, esse planejamento também é útil para se firmar um cronograma de implementação, estabelecendo os setores primordiais, caso não seja possível englobar todo o negócio.

2. Customização

Ao obter consciência sobre quais são as necessidades da empresa e qual sua realidade atual, é necessário realizar os ajustes necessários no ERP, isto é, a sua customização.

Essa etapa consiste em garantir que a empresa aproveite melhor módulos e funcionalidades da ferramenta, alinhando-as com as necessidades, além de poupar recursos e tempo com a implementação de um sistema com funcionalidades desnecessárias. Isso faz com que o ERP se torne mais relevante para a experiência da empresa, garantindo assim que o investimento gere mais retorno e eficiência.

3. Configuração

Essa, em regra, é a parte mais técnica do processo de implementação, porém também é uma das mais importantes, posto que é aqui que se realizam os ajuste para garantir que o software funcione adequadamente.

Dependendo do tipo de empresa, complexidade e quantidade de etapas dos seus processos, o usual é realizar a configuração e implantação do ERP por partes, seguindo o fluxo de trabalho lógico.

Com isso, a implantação é mais gradativa e segura, além de evitar mudanças repentinas na empresa sem a devida adaptação.

4. Estabilização e testes

Concluída a configuração e a implantação, procede-se agora para a etapa de estabilização do sistema e a realização de testes.

Essa é uma fase imprescindível para garantir que o ERP vá funcionar perfeitamente e esteja sempre disponível para fornecer as informações necessárias para o trabalho dos colaboradores, gestores e líderes.

O mais comum é que esses testes sejam primeiramente feitos de forma individual e, só após essa fase é que passa para os testes integrados, que são divididos em diversos módulos no sistema. Caso tudo corra como previsto, o ERP está pronto para o uso.

5. Treinamento de usuários

Com o sistema devidamente implementado e em atividade, é preciso, então, cuidar para que os usuários recebam o treinamento necessário para operar a ferramenta da melhor maneira possível, utilizando todas as suas funcionalidades e garantindo o máximo desempenho.

6. Suporte e modificações

O suporte é a última etapa e também a que garantirá uma regularidade permanente na operação do ERP. Ela serve para que sejam tiradas dúvidas sobre o uso do sistema, bem como para eliminar quaisquer dificuldades relativas a seu uso.

Feita essa análise, é possível que sejam necessárias algumas modificações, tanto para corrigir falhas como para otimizar a utilização do software. São esses ajustes que permitem uma perfeita adaptabilidade do ERP à empresa e melhor experiência do usuário.

Agora, que você sabe o que é software ERP e sabe como essa ferramenta é importante para modernizar rotinas de controle e gestão, melhorar o aproveitamento das informações do negócio e automatizar processos, não hesite em adotá-la em sua empresa. Os resultados certamente serão positivos.

Gostou do post? Se interessou pelo ERP e quer tê-lo no seu negócio? Podemos lhe ajudar. Entre em contato com a nossa empresa e conheça as nossas soluções!

Ei! Comente.

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade