Dissídio coletivo: Veja como calcular reajustes  

julho 23, 2019

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos com prioridade

Administração Financeiro Gestão de Pessoas

Os empregadores de qualquer empresa têm várias obrigações, garantidas por lei, para com seus empregados. Uma delas é o chamado dissídio coletivo, que garante reajustes nos salários. Para evitar problemas com a Justiça do Trabalho, empresários precisam calcular corretamente valores. 

O dissídio pode ocorrer por meio de ação legal ou mútuo acordo entre o empregado e o empregador. O reajuste é definido no Acordo Coletivo de Trabalho e várias cláusulas definem qual o aumento salarial que deve ser feito de acordo com a data-base. A atualização de outros benefícios, como vale-transporte, também pode ser solicitada.


PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS – COMO MONTAR O SEU?


Em caso de um acordo mútuo, um documento é homologado na Delegacia Regional do Trabalho. Esse acordo funciona como uma lei empresarial. Quem não cumpre precisa pagar a pena, tanto do lado do empregador quanto do lado do empregado. Funcionários e empresas têm várias obrigações quando um acordo mútuo é estabelecido. 

Data-base

Antes de entender como calcular o dissídio coletivo da empresa é válido saber sobre o que é a data-base, que nada mais é que a data sobre a qual o acordo iniciou sua vigência. 

Chamamos de data-base o primeiro dia do mês no qual o acordo foi postulado. Assim, se a data-base cair em fevereiro, então o reajuste precisa valer desde o dia primeiro deste mês. O reajuste pode acontecer depois dessa data estipulada, então o empregador precisa pagar a diferença faltante do dissídio.

Sabendo da data de reajuste do dissídio coletivo, se torna prático explicar como ele pode ser calculado. 

Segundo a CLT, esse acordo não pode ultrapassar dois anos de duração. A média da duração desses acordos é de um ano. 

Cálculo do dissídio coletivo

Inicialmente, é necessário identificar a categoria que representa os empregados. Caso seus empregados participem da categoria sindical de comerciantes, então você precisará analisar qual tipo de acordo é estabelecido entre esse sindicato. Veja qual o acordo estabelecido com o sindicato e prossiga usando uma regra de três para calcular o dissídio coletivo.

Explicaremos em termos simples, pois o cálculo do dissídio pode seguir essa fórmula: 

SR = S1 + (S1 * P) / 100, onde SR é o salário reajustado, S1 é o salário vigente e P é a porcentagem do dissídio definida no acordo do sindicato. O exemplo seguinte ajudará você a calcular o dissídio corretamente:

Vamos supor que o seu funcionário recebe 2000 reais atualmente (S1) e o percentual que está acordado com a categoria dele é de 20%. Assim, o cálculo fica o seguinte:

Salário reajustado: 2000 + (2000 * 20)/100 = 2400.

Portanto, o salário do seu funcionário precisa ser atualizado para 2400 na data-base, isto é, início do mês sobre o qual o acordo diz respeito.

Muitas vezes, o dissídio pode ser pago de modo proporcional. Significa que o trabalhador pode não ter completado o trabalho dentro da data-base correta. Supondo que um novo funcionário entre na empresa no dia um de maio, e a data-base seja junho, ele trabalhou somente um mês na empresa. Assim, o dissídio precisa ser proporcional à data trabalhada. Portanto, calcula-se a porcentagem referente a um mês de trabalho. 

E se o funcionário não tiver um sindicato específico, o que o empregador deve fazer? 

É possível que os funcionários sem categoria escolham um representante da classe da empresa. Esse representante ficaria responsável por explicar as condições e negociar com o empregador tais reajustes e todos os valores. Assim, os funcionários podem proativamente escolher um representante para os interesses serem apresentados.


Dica

Uma boa gestão empresarial é fundamental para o controle de contas a pagar e receber, do fluxo de caixa, estoque,  emissão de notas fiscais

A gestão integrada de todos esses itens por meio do sistema ERP é uma das opções que a tecnologia possibilita para ajudar na lucratividade e boa gestão de empresas.

O mais completo ERP online disponível no mercado brasileiro é o FoxManager, que também conta com plano gratuito.


SAIBA MAIS 

GUIA COMPLETO SOBRE SOFTWARE ERP: VEJA COMO A TECNOLOGIA PODE MELHORAR A GESTÃO EMPRESARIAL

EMPREENDEDORISMO: VEJA OPÇÕES DE NEGÓCIOS PARA EMPREENDER [E LUCRAR] AINDA NESTE ANO

O QUE CARACTERIZA O ABANDONO DE EMPREGO?

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Novos e antigos negócios precisam de planejamento e tecnologia para manterem a saúde financeira e lucros, evitando fechamento de empresas.
Veja 4 dicas para evitar fechamento e gerar lucros em empresas

Novos e antigos negócios precisam de planejamento e tecnologia para manterem a saúde financeira e lucros, evitando fechamento de empresas...

Gestão de estoque em empresas
Inventário de estoque e ERP: dicas para aumentar controle e evitar perda de produtos em empresas

Gestores podem reduzir falhas e prejuízos dentro de empresas ao usar o sistema ERP e inventário de estoque para o gestão de produtos. ..

Existem vários tipos de Nota Fiscal Eletrônica que podem ser emitidos em empresas
Nota fiscal de entrada: Empresários devem saber o que é e quando emitir

Existem vários tipos de notas fiscais, mas uma delas em específico gera muitas dúvidas ao empresário: a nota fiscal de entrada..

Tags

Facebook Page